Voltar About Us

FROM DREAM TO REALITY

Diretamente da mesa de trabalho de Michael Van Pelt


Já me perguntaram muitas vezes de onde tirei a idéia para produzir um veículo de expedição. Devo admitir que a idéia não foi minha. A bem da verdade, algumas delas sim. Exceto o insight original.

Argentina Kolob at FitzroyHá que se dizer que ao longo dos anos, desde a evolução da roda, viajantes têm usado vários tipos de veículos de expedição. Contudo, a semente embrionária de minhas idéias surgiu de um pequeno artigo da revista National Geographic lá em meados dos anos 80. Em geral me lembro da fotografia deste veículo unimogue subindo e descendo as dunas, e eu pensando cá com meus botões: “minha pick-up 4×4 jamais faria tal façanha.” O que tornou tudo isso algo bastante inovador foi o fato do tal veículo da foto ter uma pequena caixa retangular de camping anexada, usada como base. Ao longo de 25 anos eu continuei, tendo como referência e inspiração este original XV que vira na revista. Embora tivesse sido produzido em um fundo de quintal, eu me questionava o quanto seria interessante viajar em algo assim. Era perfeitamente possível ir a qualquer lugar que se desejasse e lá permanecer o tempo que se quisesse, além é claro, do prazer de explorar o mundo.

Nos últimos 10 anos, meus pensamentos me levaram muitas vezes para este artigo e aquele caminhão, em geral devido a todas as frustrações que passei com todos os tipos de trailers e veículos adaptados para acomodação em acampamentos, além dos recreacionais e veículos cinco rodas que me pertenceram. Parecia que sempre que eu queria ir a algum lugar com meu VR (eu não ia a lugar algum). Cansei de estar conectado por um cabo alimentador, de estar em postos em plataformas de concreto, rodeados de centenas de pessoas na mesma situação em que eu me encontrava.

Argentina Cave of the Hands BluffO que quero dizer é que os VRs deveriam ser auto-suficientes certo? Se eles são unidades independentes, e eu desejar ligar o ar condicionado, então por que teria que me conectar? E se não tivesse uma estação de depósito de lixo para descarregar os detritos? Outra coisa que me irritava muito era o barulho de rangido dos armários e mobília, além do barulho provocado pela movimentação das persianas ao tentar fazer uma curva ou ao pegar o asfalto rumo a mais uma selva de concreto ou a atitude semelhante de certos indivíduos.

Finalmente, me sentei e anotei tudo que eu não gostava nos trailers e VRs que eu já tivera. Se pelo menos eu pudesse construir um do jeito que eu queria como ele seria? Minha mente continuou me levando para o Unimogue original, e após algumas pesquisas na internet, descobri que ele ainda existia. E a propósito haviam crescido muito; na realidade, o Unimogue que eu vira no artigo, se encaixaria na bases dos novos Unimogues presentes no mercado. A velocidade mais alta do antigo Unimogue era de uma média de apenas 40 mph, enquanto que os novos estavam limitados a apenas 70 mph, devido aos pneus.

Foi a partir deste novo Uniomogue que comecei a projetar, e tudo que eu queria em um em um Veículo de excursão é que me levasse a qualquer lugar que eu desejasse ir pelo mundo a fora. Isso foi exatamente o que planejei fazer com ele. A primeira viagem que planejei foi nos Estados Unidos, como uma “prova experimental” A segunda foi na América do Sul. Eu sabia que para fazer estas duas viagens da maneira que eu queria, exigiria algo bem diferente de qualquer coisa que eu já vira anteriormente.

Eu sabia que combustível está disponível no mundo inteiro: Diesel, Propano, Gás qualquer coisa. Contudo, nem sempre está disponível nos locais que se deseja ou se precisa. O que eu não sabia na época é que ao cruzar a fronteira iria descobrir que as conexões, elétricas, de propano, ou até mesmo de água poderiam ser completamente diferentes das conexões que usamos aqui nos Estados Unidos. Então o que queria neste veículo inicial afinal?

Convenci-me de que o que eu queria neste veículo seria mesmo que desejaria se estivesse em um barco no meio do oceano durante um período de meses a fio. Eu precisaria de um chassis que fosse forte o bastante para carregar qualquer coisa que quisesse por sobre ele, forte o suficiente para me proporcionar velocidades satisfatórias; um veículo também que desse potência e condições de pilotagem em estradas de terra; que me levasse a locais cuja minha Pick-up não conseguisse ir – e que, evidentemente me trouxesse de volta em segurança. Eu queria poder viajar com uma autonomia ampla e suficiente em reservas de combustível, Reservas de água & eletricidade para que eu pudesse jogar fora aquele cabo alimentador ou cordão umbilical.

Brazil Canoa QuebradaEu não iria querer um veículo em que fizesse um viagem longa e o mesmo valesse a metade do que gastei nele. Um coisa que percebi no outro VR que eu comprara, é que se você estivesse disposto a comprar um mesmo com entre, 0000-20,00 milhas rodadas, ele valeria igual uma fração de um novo. E razão para que eles valessem uma fração apenas, é que haviam sido construídos sobre um chassis leve de caminhão, considerado pela maioria das pessoas como desgastado após 80 -100,00 milhas de rodagem. Devido ao uso deste tipo de chassis, o comprometimento do peso versus a qualidade sempre perdia para o peso. Trocando em miúdos, eles eram construídos de maneira barata para manter o peso abaixo. Tudo tinha que ser extremamente leve para não sobrecarregar o típico chassis do trailer / motor home Americano

Devido a isso, eu queria ter um chassis de peso médio a pesado. Eu precisava de um quatro rodas, visão ampla e elevada do solo, pneus agressivos, diferenciais de travas e marchas o suficiente para assumir velocidades de rodovia ou em terrenos acidentados e rochosos. O unimogue servia ao propósito no que dizia respeito ao chassis inicial.

Então, ao construir uma carroceria de expedição, eu estava determinado a me livrar do cordão umbilical, ou seja, do cabo alimentador, o que significava que teria que usar equipamentos de barco, o que em outras palavras se traduzia em diesel, o combustível mais disponível no planeta. Ao pesquisar os equipamentos disponíveis para veículo, descobri que havia opões incríveis por ai a fora. Caldeiras e aquecedores de água que eram incrivelmente pequenos, extremamente eficientes e até mesmo capazes de desempenhar o trabalho de uma plataforma bem maior que eu queria construir. Eu queria que a carga das baterias fossem mantidas, mesmo nos dias em que eu não quisesse dirigir o veículo. Na verdade eu não queria partir para o uso de geradores, pois minha experiência com eles é que eram comumente usados apenas para A/C, e sempre que se precisava deles agiam de maneira temperamental, pois não eram adaptados o suficiente para evitar que o combustível se tornasse viscoso.

Eu queria algo que fosse confortável para duas pessoas. Eu não achava que precisava do luxo dos yates de última geração, pois estava à procura de aventura no ermo, no sertão, e não do luxo do asfalto. Em fim, eu optei então pela a combinação de ambos. O protótipo original tinha 130 galões utilizáveis de água, podendo ser bombeados de uma mangueira ou de uma fonte. O veículo tinha 200 galões utilizáveis de combustível, sendo o mesmo diesel, que fornecia o necessário para água quente, caldeira, cozinhar, e locomoção do mesmo. Coloquei painéis solares no teto e baterias de 4-250 amper hora que forneciam potência backup o suficiente para fazer funcionar qualquer coisa, exceto a unidade A/C.

Ecuador Cotacachi President Correa VisitFinalmente terminei o veículo na primavera de 2006. Logo na conclusão, depois dos ‘testes experimentais’ em uma viagem ao Sudeste dos Estados Unidos, o enviamos de navio para a América do Sul. Logo percebemos que o design e precauções que eu fizera são necessários para estes tipos de viagens. Era difícil encontrar propano, o que agradecidamente não tínhamos como uma exigência. Em um período total de cerca de um ano de viagem, só permanecemos em dois locais de camping, que tinham locais para depósito de lixo. A esta altura você poderá estar se perguntando o que fizemos quanto aos detritos. Deparamo-nos com um dispositivo único denominado de banheiro “cassete”. Não havíamos visto tal coisa em nenhum dos motor homes ou trailers que já tivéramos. Um banheiro cassete é bastante parecido com um banheiro comum dos VRs convencionais, mas a diferença torna-se aparente no momento de lançar fora os detritos. Da parte externa do veículo, uma porta é aberta e retira-se uma caixa selada, bem parecida com um mala com rodas na base para facilitar o transporte, com a qual todos nos estamos familiarizados. Um vez tendo esta unidade ao solo é só arrastar pelo o puxador retangular, levando o recipiente para qualquer banheiro disponível.

Em um ano de viagem não tivemos necessidade alguma de plugar nosso veículo na eletricidade. Tínhamos uma capacidade de água tal que se preciso teria durado duas semanas. O maior teste foi flutuar ao longo do Rio Amazonas por uma semana e ao mesmo tempo estar vivendo dentro do veículo, mantendo o refrigerador ligado (que partia de 12 volts), fazendo comida, e todas as coisas necessárias para se viver, (inclusive o uso de computadores, instalação de telefones, baterias de câmeras, etc.) sem ter que depender ou plugar em quaisquer que fossem as fontes de suprimento de energia externa. Então saímos do porta-barco e deixamos o veículo seguir viagem pelo Rio Amazonas, enquanto fizemos um passeio pela floresta. O veículo se auto- manteve conforme for a projetado.

Outro teste bastante marcante aconteceu em Tierra del Fuego, na Argentina, onde o deixamos estacionado por duas semanas enquanto viajamos para Antártida. As temperaturas eram bastante baixas, portanto deixamos a caldeira em temperatura baixa por precaução. No refrigerador estava todo o nosso suprimento de alimentos, saímos e choveu por quase duas semanas. A luz solar disponível durante os períodos em que não estava chovendo e as células fotovoltaicas (solar) montadas no teto mantiveram as baterias carregadas durante todo o período que estivemos fora. Quando retornamos, descobrimos que a capacidade da bateria estava em 96%. Devo dizer que se tivesse ocorrido à necessidade de plugar o veículo para recarregar, eu teria feito sem problema. Contudo, eu o havia projetado para um ciclo de potência de 110 v 60 que não estava disponível na América do Sul.

Os Muitos Usos dos Nossos Veículos

“Usos:” O Que Você Pode Fazer com Ele?

A Resposta mais óbvia é “Qualquer coisa.”

Chile Puritama FunsetO resto da resposta é um pouco complicado. O que um avião voando a certa altitude e um navio navegando em alto mar têm em comum? Resposta – se alguma coisa quebrar, você terá um problema – provavelmente um ENORME problema. Quando estávamos projetando nosso GXV depois do protótipo, chegamos à conclusão que todos os sistemas marítimos que haviam sido usados no protótipo haviam desempenhado tão bem que já estávamos partindo para algo a mais. Contudo, em um ano de viagem, me senti agradecido o tempo inteiro quanto à qualidade dos equipamentos marítimos instalados. Entretanto, mesmo nos sistemas de melhor qualidade, você gostaria de ter a mesma resposta do avião para o problema. Quando os aviões estão voando a uma altitude, eles deverão ter os melhores sistemas, mas as melhores aeronaves têm sempre um sistema backup, ou até mais de uma maneira para realizar a mesma função.

Por outro lado se estivéssemos construindo em um chassi leve de caminhão, ou até mesmo menor, não poderíamos considerar a possibilidade de se ter backups. Entretanto, o fato de ter sido escoteiro quando jovem me ensinou a estar preparado para tudo. Assim, eu sempre quis dar cobertura a todas as bases. Com um chassis de peso médio, você obtém o melhor dos dois mundos. Tem-se algo menor o suficiente para manobrar em pequenos centros e cidades, e o raio de torneamento de algo menor que uma pick-up com cabine de passageiros. Você tem a visão de solo que os Hummers já sonharam ter quando sonham em ficar grandes. Mesmo assim, é possível carregar o veículo com qualquer coisa. O fato é que o veículo não poderá ficar melhor do que já é!

Sim, poderíamos ter uma Caldera a diesel incrível, como as das embarcações com tão pouco diesel que o tanque de combustível poderia ser um copo de criança. Depois de alguns minutos de uso, te levaria a sair da cabine mais rápido que uma garota gorda e afetuosa em uma festa. Entretanto, aprendemos na Bolívia que estes pequenos aquecedores a diesel, embora incríveis em altitudes elevadas nem sempre funcionam como deveriam. A 16, 000 ou acima, mesmo no verão, tem-se inverno! Este é um bom lugar para se ter um sistema backup. Nosso gerador que também fornece o sistema A/C a 33, 000 BTUs, também fornece aquecimento a 33, 000 BTUs, potência de 110 v para o elemento de backup do aquecedor de água. O aquecedor de água é de aço inox, altamente isolado, de alta qualidade, um aquecedor de água marítimo que está preso no motor do caminhão para que se tenha água quente quando o veículo parar para o pernoite. Também está acoplado com um aquecedor hidrônico a diesel que pode ser suprido de seu pequeno copo.

Ah, eu já disse a vocês? O gerador a.25 galões por hora, sob carga total, não precisa mais que um pequeno copo para um tanque também. Os grandes tanques de combustível poderiam quase ser para mera demonstração. Contudo, preferimos vê-los como uma válvula de escape que nos leve para onde as multidões estejam apenas na memória.

Também temos outro dispositivo em formato de um pequeno copo, chamado de Cook top a diesel, que funciona incrivelmente bem sob quaisquer condições. E mais uma vez em condições de altitudes elevadas tais dispositivos a diesel não funcionam muito bem como funcionam no nível do mar. É, portanto o sistema de backup e a última tecnologia dos fornos de microondas que cozinha, faz bolos & grelha. Se estes dois sistemas não forem suficientes você poderá dividir o gril BBQ.

Argentina Bariloche LakeVocê sabia que a maior parte do mundo não tem energia a 110 v? Claro que você sabia! Mas você se quer pensou a ir a alguns destes locais? E se você tivesse que se conectar? Nos também pensamos nisso, e aqui é o que encontramos como solução. Nosso mundo se revolve em torno da potencia 110 v., então precisamos ter isso também. Colocamos um inversor de 110v e um shore power de 110v. mas se você não tiver shore Power, poderá obter de um amplo banco da bateria AGM. Se você estiver em uma área em que o mundo não funciona em 110 v, potencia de 60Hz, nos também inserimos um inversor de 230 v, 50 Hz. Mas, e se estiver descarregando as baterias mais rápido que a substituição dos painéis solares de tamanho amplificados? É provável que não, considerando os nossos cups inclináveis, LEDs altamente eficientes, iluminação florescente e sistemas de 12 volts. Bem mais improvável que isso, considerando que a única coisa que precisa do inversor é o microondas. Mas digamos que para lazer você esteja em área que não estar recebendo luz solar suficiente por períodos longos. Bom, o caminhão carregará as baterias enquanto você dirige. Um sistema razoavelmente simples de um isolador e separador de bateria, mas a unidade de suprimento de força monitora tanto o compartimento de baterias e a bateria do caminhão através do sistemas separador e isolador. O sistema se iniciará automaticamente para manter o banco de bateria em seu pico de funcionamento.

Quatro maneiras de se fornecer energia parece um pouco pesado, mas são sistemas de peso leve. Todos acoplados tornam simplesmente mais fácil dormir a noite quando se estar 30, 000 pés no ar ou a 1, 000 milhas no mar, ou ate mesmo três dias em um estrada empoeiradas. Com um peso total de cerca de 20.000 libras, o que acreditamos ser um bom equilíbrio.

Nem tudo isso faz parte da longa resposta para dizer que com energia solar, o uso de aplicativos a diesel será mínimo. (que também usará o biodiesel), estes veículos não são apenas os mais eficientes e os mais amigos do meio ambiente, mas também lhe levará a lugares que você só sonhou ir a motor home ou trailer. Eles terão um GVW de sobra que sua esposa poderá arruinar seu novo master card em compras e suvenirs e mesmo assim você poderá voltar sem problema para casa.

Se a Europa tivesse um equivalente com os sistemas de backups duplos e triplos, seriam duas vezes mais caros como o GXV. Ah, espere um momento! Eles já são duas vezes o preço! Então com nosso GXV, sempre ou quando você quiser ir a algum lugar, ainda te sobrará dinheiro para IR!

O Mundo é grande! Explore-o!

Um caminhão tão durável que é mais fácil o mundo acabar primeiro. Até lá, quem sabe será a vez de seus de explorar o mundo!

Veja os nossos modelos de Expedition Vehicles


Marquee Powered By Know How Media.